Notícias da paróquia › 21/04/2018

Tradicional tapete de Corpus Christi será confeccionado na Paróquia Sant’Ana

Neste ano, a comemoração de Corpus Christi na Paróquia Sant’Ana de Campinas contará com a confecção de um tapete colorido. Com o apoio das diversas pastorais, movimentos e comunidades as ruas do entorno da Igreja Matriz ficarão coloridas e enfeitadas com imagens desenhadas por dezenas de pessoas.

Palha de arroz, serragem colorida, cascas de ovos, borra de café, tampinhas de garrafas entre muitos outros materiais fazem parte dos enfeites que começam a ser confeccionados em plena madrugada.

Para a confeccção dos tapetes, os materiais são doados pela população ou conseguidos pela organização do evento. Também há famílias que guardam pó de café, tampinhas de garrafa entre outros materiais durante todo o ano e no dia de Corpus Christi levam tudo pronto para as ruas.

A Missa de Corpus Christi será celebrada às 09h00, na Igreja Matriz de Sant’Ana, pelo pároco padre Jonas Barbosa e, em seguida terá início a procissão, que passará pelos tapetes em frente da própria Igreja Matriz, onde encerrarão as festividades com a benção do Santíssimo Sacramento.

A seguir, uma entrevista com a Irmã Ana Caparelli (HNSC) que neste ano é a coordenadora da Equipe do Tapete de Corpus Christi:

Quando será realizado?
– Será realizado na madrugada do dia 31 de maio a 1h da manhã.

Local?
– Acontecerá na Rua: Luis Arruda Camargo a partir do portão da Igreja.

O que significa o dia de Corpus Christi?
– É o dia solene em que os fiéis agradecem e louvam a Deus pelo inestimável dom da Eucaristia, na qual o próprio Senhor se faz presente como alimento e remédio de nossa alma.

1. Porque confeccionar um tapete?

Primeiro, pode ser um fato histórico em 1983, o novo Código de Direito Canônico – cânon 944 – mantém a obrigação de se manifestar “o testemunho público de veneração para com a Santíssima Eucaristia” e “onde for possível, haja procissão pelas vias públicas”, mas os bispos escolham a melhor maneira de fazer isso,
garantindo a participação do povo e a dignidade da manifestação.
Segundo, por ser a única festa litúrgica onde o Cristo sai às ruas, para abençoar o povo.
Terceiro, por ser uma manifestação pública da fé, onde os fieis podem prestar o culto de adoração, louvor, ação de graças e pedido rezando nas ruas. Assim em vários lugares criou-se o costume de enfeitar as casas com oratórios e flores e as ruas com tapetes ornamentados, tudo em honra do Senhor que vem visitar o seu povo.

2. De onde nasceu essa tradição?
– Tudo aconteceu com a manifestação de dois milagres eucarísticos o primeiro no século VIII, conhecido como o Milagre de Lanciano (Itália), onde um dos monges de São Basílio foi tomado de grande descrença e duvidou da presença de Cristo na Eucaristia. Para seu espanto, na mesma hora, a hóstia consagrada transformou-se em Carne, e o Vinho consagrado transformou-se em Sangue. E o segundo foi o Milagre de Bolsena, por volta de 1200 na Bélgica, quando um sacerdote celebrando a missa teve um momento de dúvida, no momento da consagração e da hóstia consagrada começaram a cair gotas de sangue sobre o corporal após a consagração. O Papa Urbano IV (1262-1264), que residia em Orvieto, cidade próxima de Bolsena, ordenou ao Bispo Giacomo que levasse as relíquias de Bolsena a Orvieto em procissão. Quando o Papa viu os fiéis caminhando na entrada de Orvieto, pronuncia diante da relíquia eucarística as palavras: “Corpus Christi”. O Papa chamou S. Tomás de Aquino, que morava ali em Orvieto, e pediu para que escrevesse o oficio da festa e ai começou a procissão de Corpus Christi, que aos poucos foi se estendendo a toda a Igreja sendo instituída com a Bula “Transiturus” em 1264, fixando-a
para ser celebrada na quinta-feira após a Festa da Santíssima Trindade, que acontece no domingo depois de Pentecostes.  Contudo, seu caráter universal e definitivo aconteceu somente no século XIV, com a confirmação do Papa Clemente V, que torna a festa de Corpus Christi um dever canônico mundial. – No Brasil, “a tradição da decoração das ruas para a Procissão de Corpus Christi é uma herança vinda de Portugal e tradição brasileira. A tradição de fazer o tapete com folhas e flores vem dos imigrantes açorianos (O
Arquipélago dos Açores é um conjunto de nove ilhas vulcânicas que pertencem a Portugal). Essa tradição praticamente desapareceu em Portugal continental, onde teve origem, mas foi mantida nos Açores e nos lugares em que chegaram seus imigrantes, como por exemplo Florianópolis-SC. Em todo o Brasil esta festa adquiriu contornos do barroco português. (Na América Latina, o barroco entrou no século XVII, trazido por artistas que viajavam para a Europa, e permaneceu até o final do século XVIII). Corpus Christi é celebrado desde a época colonial com uma abundância de cores. A tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, cidade histórica do interior de Minas Gerais”.* Extraído do livro do Prof. Felipe Aquino.

3. Como será a confecção do tapete?
– A confecção do tapete esta organizada deste a entrada da Igreja até o final da Rua: Luis Arruda Camargo, segundo a ordem das pastorais que ser encontra disponível no grupo do CPP e site. Cada grupo de pastoral e movimento terá a metragem de 3m. Quanto ao material poderá deixar no salão paroquial para ser retirado no dia,
a partir da 1h da manhã do dia 31, a confecção encerrara às 6h seguido do café comunitário preparado pelas pastorais. A Equipe da organização estará acompanhando e ajudando cada equipe segundo as necessidades de
cada.

4. Como os materiais podem ser doados?
– Aqueles que desejam colaborar podem deixar os materiais na secretária paroquial e preencher uma pequena ficha para depois nossa Equipe entrar em contato para agradecer a colaboração.

5. Que tipos de materiais?
– Serragem, areia, pó de café, sal grosso, pedrinhas, flores, folhagem, casca de ovo, purpurina, cola, corante, TNT, EVA, sementes, tampinhas, retalhos, todo tipo de material segundo a criatividade das pastorais e dos movimentos, contudo, tenhamos consciência sobre o meio ambiente, optemos por materiais mais orgânicos e recicláveis.

6. Há um tema central para a confecção dos tapetes?
– Não, apenas que seja direcionado para o culto ao Santíssimo Sacramento, pode ser colocado ícones, símbolos eucarísticos, símbolos das pastorais e até temas sociais como o tema da Campanha da Fraternidade 2018, a JMJ 2019, de acordo com as intenções definidas em conjunto e comunhão com o pároco.

7. Quem está organizando?
– A comunidade paroquial na reunião do CPP de fevereiro sentiu a necessidade de eleger uma Equipe que pudesse dinamizar e organizar a participação de todos nesta festa do Banquete Eucarístico. Esta equipe esta formada pelas representantes de pastorais Lusia, Solange, Evani, Gileuza, Bruna e Ir. Ana.

Mais informações:
Pode falar com qualquer membro da nossa equipe, contudo deixaremos um telefone/whatsapp disponível: 19-99416-0680 Bruna.

Mensagem de incentivo:
– Estimada comunidade, esta procissão pretende ser uma bênção grande e pública para a nossa comunidade paroquial, nossos bairros e nossa cidade. A Eucaristia é “Corpo” e é corpo doado e partilhado, que se expressa na vida, nas casas e nas ruas de nossa comunidade. Que a confecção deste tapete sagrado, seja mais uma oportunidade de juntos na pluralidade e singularidade de cada pastoral e movimento expressarem aquilo que temos e somos dando esta grande visibilidade ao rosto eucarístico em nossa comunidade.
Nesta procissão, acompanhemos o Cristo Ressuscitado no seu caminho pelo mundo inteiro e obedeçamos ao seu mandato “Tomai e comei todos”, pois o banquete é para todos ninguém pode ficar excluído. Fraterno abraço. Ir. Ana Maria Rosa Caparelli