Highslide for Wordpress Plugin

Palavra da igreja › 16/01/2017

Papa: Ai da Igreja quando anuncia a si mesma e não a Cristo

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco presidiu hoje  hoje, domingo, dia 15 de Janeiro, dia da Jornada Mundial dos Migrantes e Refugiados, às 12 horas de Roma, na Praça de S. Pedro repleta de fiéis e peregrinos provenientes de diversas partes da Itália e do mundo, a cerimónia mariana do Ângelus.

No centro do Evangelho de hoje, disse o Papa, está esta palavra de João Baptista: “Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. Uma palavra acompanhada pelo olhar e pelo gesto da mão do Baptista que indica o Cordeiro de Deus: Jesus.

João anuncia, disse ainda o Papa, que o reino dos céus está próximo, que o Messias está para se manifestar e é preciso preparar-se, converter-se e comportar-se com justiça. Ele sabia que o Messias, o Consagrado do Senhor está próximo e o sinal para O reconhecer é que sobre Ele há de descer e repousar o Espírito Santo; Ele de facto realizará o verdadeiro baptismo, pois é Ele que baptiza no Espírito Santo.

Jesus é o Messias, o Rei d’Israel, mas não com a potência deste mundo, mas como o Cordeiro de Deus que carrega sobre si e tira o pecado do mundo. Assim o indica João Baptista: eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

E estas são palavras que nós sacerdotes repetimos todos os dias durante a missa, quando apresentamos ao povo o pão e o vinho que se tornaram no Corpo e o Sangue de Cristo. Este gesto litúrgico representa toda a missão da Igreja, a qual não anuncia a si mesma. Ai, ai da Igreja quando ela anuncia a si mesma, perde a bússola, não sabe para onde vai. A Igreja anuncia Cristo, não leva consigo si mesma, mas Cristo. Pois, só Cristo é que salva o seu povo do pecado, o liberta e o guia para a terra da vida e da liberdade. Que a Virgem Maria, Mãe do Cordeiro de Deus, nos ajude a acreditar n’Ele e a seguí-Lo.

Após a recitação da oração mariana do Ângelus, Francisco recordou aos presentes que hoje se celebra a Jornada Mundial do Migrante e do Refugiado, dedicado ao tema “Migrantes menores vulneráveis e sem voz”.

Estes nossos pequenos irmãos, se não são acompanhados, são expostos a tantos perigos. E estes perigos são tantos. É necessário adoptar todas as mediadas possíveis para garantir aos migrantes menores, protecção e defesa, mas também a sua integração.

Finalmente, Francisco saudou todas as representações de diversas comunidades étnicas congregadas na Praça de S. Pedro. Caros amigos, disse, faço os meus votos para que possais viver serenamente nas localidades que vos acolheram, respeitando as leis e as tradições das comunidades que vos acolhem, e, ao mesmo tempo, preservando os valores das vossas culturas de origem. O encontro entre várias culturas, sublinhou o Santo Padre, é sempre um enriquecimento para todos.

E Francisco agradeceu a todos os presentes, à todos quantos se dedicam a causa dos Migrantes e refugiados e de modo particular ao Secretariado Migrantes da Diocese de Roma. A todos o Papa augurou um bom domingo e um bom almoço. Ao mesmo tempo que pediu a todos que não esqueçam de rezar por Ele.

Fonte: Rádio Vaticana